Rastreamento de Mulheres Com Sintomas de Depressão Pós-Parto Cadastradas em uma UBS do Interior Paulista

  • Mariana Heilig Mota de Campos Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA
  • Milene Bassanelli dos Santos Gonçalves Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA
  • Mara Filomena Falavigna, Me. Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA

Resumo

A vida de uma mulher é composta por períodos difíceis, tais como a gestação e o puerpério; esses períodos envolvem inúmeras alterações, são elas:  hormonais, psíquicas, físicas e de inserção social, o que diretamente podem se refltir no estado emocional dessas mulheres. A depressão pós-parto (DPP)
vem se tornando cada vez mais relevante, sendo um importante problema de saúde pública. Essa pesquisa teve como objetivo identifiar os riscos de desenvolvimento da depressão pós-parto em puérperas cadastradas na UBS de um município do interior paulista e traçar o perfi socioeconômico com
maior risco de desencadear depressão pós-parto. O presente estudo foi de abordagem quantitativa, do tipo descritivo exploratório. A EPDS foi aplicada
em 84 puérperas cadastradas em uma UBS do interior paulista, concluiu-se que o perfi sócioeconômico das puérperas que apresentaram risco de desenvolver DPP foi considerado baixo, houve predominância em mulheres jovens na faixa etária dos 18 aos 24 anos de idade, que não exercem atividade remunerada, tendo como nível de escolaridade dominante o ensino fundamental completo e que possuem relacionamentos estáveis. Cerca de 70% das mulheres que apresentaram risco em desenvolver DPP não contribuem com a renda familiar, 64% residem em conjuntos habitacionais cedidos pelo Governo Federal, 54,83% convivem dentro da mesma residência com mais de 06 pessoas e 61,29% utilizam como meio de locomoção o transporte coletivo.

Publicado
2019-09-04
Seção
Artigo Completo