Contaminação de Soluções Aspiradas Por Toque no Êmbolo da Seringa: Uma Análise Microbiológica

  • Aliny de Oliveira Bucholz Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA
  • Patricia Helena Guerra Cruz Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA
  • Poliana Gomes Lopes Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA
  • Thamires Eugenio de Moraes Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA
  • Chaiene Thais da Silva Santos Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA
  • Maria Joana de Lima Martins, Profa. Me. Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA

Resumo

Ressalta a importância do embasamento científio da técnica de aspiração de soluções para facilitar a execução do procedimento. Estudo de campo,  laboratorial, descritivo, quantitativo, realizado no laboratório de microbiologia de uma faculdade privada do interior paulista, objetivou demonstrar, por meio de um experimento, se ocorre ou não contaminação da solução aspirada após tocar no êmbolo da seringa. Foram analisadas 10 seringas de 3ml após aspirar 2ml de água destilada. Cinco delas tiveram o êmbolo contaminado por toque e cinco não. Das seringas que tiveram o êmbolo contaminado, apenas 1 (20,0%),
teve crescimento microbiológico enquanto as outras 4 (80,0%) não apresentaram. Das seringas que não tiveram o êmbolo tocado durante o procedimento, 20% (N=1) revelou crescimento microbiológico, enquanto 80% (N=4) não. Conclui-se que o toque no êmbolo durante o procedimento de aspiração de soluções, não resulta em contaminação da solução, nem tampouco em infecção ao paciente.

Publicado
2019-09-04
Seção
Artigo Completo