MÉTODO MÃE CANGURU:

PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

  • Josiane Aparecida Tomaz Santos Gomes Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA
  • Maria Joana de Lima Martins Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA
  • Valdinéa Luiz Hertel Centro Universitário Teresa D'Ávila - UNIFATEA

Resumo

Este estudo tem como tema central o Método Mãe Canguru e a percepção da equipe de enfermagem da UTI neonatal de um Hospital do Vale do Paraíba. O objetivo é analisar os sentidos e os limites vivenciados pelos profissionais de uma UTI neonatal, envolvidos no Método Mãe Canguru, em face de seu processo de trabalho para a construção da assistência humanizada. Pretende-se ainda abordar as informações e normas gerais para adoção e aplicação do Método Canguru, como também, identificar os aspectos relativos à implantação e execução do MMC, na UTI neonatal de um Hospital do Vale do Paraíba. Justifica-se o tema desta pesquisa, a princípio pelas evidências científicas que comprovam as vantagens do MMC e pela oportunidade de aprendizagem sobre as potencialidades, os limites da proposta de humanização e os ajustes realizados na prática da assistência dos profissionais envolvidos na execução do MMC. O tipo de pesquisa realizada teve o cunho exploratório de abordagem quantitativa, buscando analisar os dados colhidos nas entrevistas dos profissionais envolvidos no Método Canguru, da unidade em questão, realizando inferências a partir da interpretação e confronto com a literatura. O estudo permitiu verificar a importância do envolvimento da equipe de enfermagem da instituição nos processos de mudança, e a necessidade de adequação dos recursos humanos e a estimulação da mãe em manter o maior tempo de permanência para a efetiva implantação do método.

 

Publicado
Ago 8, 2017
##submission.howToCite##
TOMAZ SANTOS GOMES, Josiane Aparecida; DE LIMA MARTINS, Maria Joana; LUIZ HERTEL, Valdinéa. MÉTODO MÃE CANGURU:. Revista Eletrônica de Enfermagem do Vale do Paraíba, [S.l.], v. 1, n. 08, ago. 2017. ISSN 2237-7646. Disponível em: <http://unifatea.com.br/seer3/index.php/REENVAP/article/view/39>. Acesso em: 15 jun. 2019.
Seção
Artigos