A gestão do conhecimento a luz de Bukowitz e Williams: a difícil mensuração financeira deste valioso bem

Palavras-chave: Capital intelectual, Gestão do conhecimento, Navegador Skandia

Resumo

A busca pelo desenvolvimento de instrumentos e métodos com potencial para medir o desempenho das organizações, refletiu por sua vez, a necessidade de evidenciar e valorizar o capital humano presente no ambiente organizacional. Vale salientar, que a administração, a contabilidade e áreas afins, tentavam gerenciar, medir e mensurar este bem. A partir dessa problemática, este trabalho tem por objetivo propor uma revisão do Navegador Skandia proposto por Edvinsson e Malone (1998) à luz do Diagnóstico da Gestão do Conhecimento (DGC) proposto por Bukowitz e Williams (2002). Por meio de uma pesquisa documental bibliográfica, de cunho qualitativo na forma de revisão, a partir da literatura pesquisada em livros e periódicos nacionais e internacionais, este trabalho realiza uma proposta de inserção do DGC ao cálculo do Navegador Skandia como forma de contribuição para uma real avaliação do aporte da GC como fonte de valor oculto às organizações. Verificou-se que o navegador, embora muito discutido e utilizado na literatura, adota medidas financeiras para avaliação do Capital Intelectual sem considerar a Gestão do Conhecimento na organização. A pesquisa destacou ainda a dificuldade na elaboração de um modelo definitivo capaz de mensurar com exatidão, métricas, valores, e condições que possibilitem as organizações divulgarem o seu Capital Intelectual nos balanços contábeis. Dessa forma, para que o método de avaliação do Capital Intelectual reflita melhor a realidade, é importante que o trabalho da contabilidade com a utilização do Navegador Skandia seja tratado na perspectiva da sistematização do Diagnóstico da Gestão do Conhecimento.

Publicado
2020-02-10
Seção
Artigos