O luto compartilhado no infoterritório: morte e intimidade transformadas no Facebook

  • José Antonio Martinuzzo Universidade Federal do Espírito Santo
  • Heryck Luiz Jacob Sangalli Universidade Federal do Espírito Santo

Resumo

Este artigo faz parte de uma pesquisa mais ampla sobre a morte nas redes sociais digitais. Neste estudo, objetivamos investigar o fenômeno da vivência do luto no Facebook. Em nosso arcabouço teórico, articularemos os conceitos que norteiam a investigação: a morte, que encaminhou para um interdito ao longo do tempo, e o luto como algo que deve ser resguardado ao íntimo e à privacidade. Nesse último caso, veremos como a intimidade surge no ambiente privado e se desloca e se atualiza para o ambiente público. Essa atualização do ambiente de vivenciar o que é íntimo, em nossa investigação, ocorre pelo avanço tecnológico a partir do qual florescem o infoterritório das redes sociais digitais. A pesquisa empírica será embasada com narrativas de luto publicadas no Facebook. Coletamos, por meio de captura de tela, oito publicações contendo as dores provocadas pelo fim da vida. Assim, concluímos que o luto e a intimidade estão constantemente em transformação ao encontrarem um novo espaço de sociabilidade composto por incessantes atualizações. 

Publicado
Jan 6, 2019
##submission.howToCite##
MARTINUZZO, José Antonio; SANGALLI, Heryck Luiz Jacob. O luto compartilhado no infoterritório: morte e intimidade transformadas no Facebook. Educação, Cultura e Comunicação, [S.l.], v. 10, n. 19, jan. 2019. ISSN 2177-5087. Disponível em: <http://unifatea.com.br/seer3/index.php/ECCOM/article/view/952>. Acesso em: 19 abr. 2019.
Seção
Artigos