WhatsApp na sala de parto e a midiatização do nascimento

Palavras-chave: Nascimento; Midiatização; WhatsApp.

Resumo

No presente artigo, investiga-se a midiatização do nascimento a partir do uso do aplicativo de envio de mensagens WhatsApp na sala de parto, com o intuito é divulgar o recém-nascido. O estudo foi realizado em uma maternidade pública estadual de referência para partos de alto risco obstétrico em Belo Horizonte. A pesquisa objetivou compreender as possíveis apropriações e ressignificações do nascimento para a mulher e seu acompanhante no contexto da midiatização. A partir da pesquisa realizada, emergiram quatro categorias analíticas, a saber: 1) memória e midiatização; (2) não reconhecimento do WhatsApp como mídia social digital; (3) perda dos contornos entre íntimo, privado e público; e (4) crença no outro. Após a discussão dos resultados, observou-se que o WhatsApp tem modificado as interações sociais ao midiatizá-las, as quais passam a funcionar de acordo com a cultura da mídia e suas lógicas na contemporaneidade.

Biografia do Autor

Conrado Moreira Mendes, PUC-MG

Professor do Programa de Comunicação Social da PUC Minas. Doutor em Semiótica e Linguística Geral pela USP. 

Alessandra Gonçalves, PUC Minas

Bacharel em Comunicação Social / Jornalismo pela PUC Minas. 

Maria Ângela Mattos, PUC Minas

Professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação Social da PUC Minas. Doutora em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002). Possui pós-doutorado no Departamento de Estudios Socioculturales de Universidad Jesuíta de Guadalajara/México. Líder do Grupo de Pesquisa Campo comunicacional e suas interfaces. 

Publicado
2020-06-30
Seção
Artigos