Não sei se brinco ou estudo

Representações sociais de lazer e tempo livre de estudantes do ensino médio

  • Elisa Fabris de Oliveira Universidade Federal do Espírito Santo e Faculdade de Ensino Superior de Linhares
  • Edinete Maria Rosa Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: Estudantes; ensino médio; classe média; lazer; tempo livre; representações sociais

Resumo

Este estudo teve como objetivo conhecer representações sociais de lazer e de tempo livre de jovens de classe média, estudantes do ensino médio de três escolas localizadas em Vitória, Espírito Santo. A pesquisa teve como instrumento duas questões de livre associação de palavras, com os termos indutores “lazer” e “tempo livre”, e como amostra 270 estudantes, sendo 152 (57,1%) do sexo feminino, com idades entre 14 e 19 anos (M = 15,86; DP = 0,98). As análises foram realizadas com suporte do software openEvoc, e tiveram como embasamento a Teoria das Representações Sociais e Teoria do Núcleo Central. Como resultado, identificou-se que para os participantes, o tempo livre caracteriza-se por estar primordialmente associado às atividades Dormir e Estudar, e secundariamente a práticas de entretenimento. Já o lazer, apresentou-se como um fenômeno que congrega o prazer e a diversão, e que é essencialmente vivenciado a partir de momentos de sociabilidade e de prática esportiva. Como conclusão, observou-se que as representações sociais identificadas estão ancoradas em valores da sociedade capitalista, de modo que o entretenimento, o ócio e a diversão, parecem assumir importância secundária, quando em comparação com a lógica da produção.

Biografia do Autor

Elisa Fabris de Oliveira, Universidade Federal do Espírito Santo e Faculdade de Ensino Superior de Linhares

Doutoranda e Mestra em Psicologia e graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal do Espírito Santo; bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) entre 2014 e 2015; Professora Adjunta da Faculdade de Ensino Superior de Linhares – Vitória, ES, Brasil.

Edinete Maria Rosa, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutora em Psicologia; Bolsista Pesquisadora Capixaba (FAPES) entre 2013 e 2016; Professora Associada do Departamento de Psicologia Social e do Desenvolvimento da Universidade Federal do Espírito Santo; Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo - Vitória, ES, Brasil.

Publicado
2020-02-16
Seção
Artigos